A Argentina tem uma longa tradição no tênis, e muitos jogadores notáveis ​​emergiram ao longo dos anos. Desde os dias de Guillermo Vilas, um dos maiores tenistas da história, até os talentosos jogadores atuais, como Juan Martin del Potro e Diego Schwartzman, a Argentina tem produzido alguns dos jogadores mais talentosos e bem-sucedidos do mundo.

Os tenistas argentinos são conhecidos por sua paixão, dedicação e trabalho duro. Eles têm um estilo de jogo único, que combina técnica, força e agilidade, e são conhecidos por sua habilidade em jogar tanto em quadras de saibro quanto em superfícies duras.

Ao longo deste artigo, vou compartilhar informações e fatos interessantes sobre alguns dos melhores tenistas argentinos da história, suas carreiras, conquistas e contribuições para o mundo do tênis.

Quais os Melhores Tenistas Argentinos?

David Nalbandian

A Nalbandian teve cinco finais top ten, uma final da ATP, uma final do Grand Slam, e quatro semifinais do Grand Slam. Será a participação na final de 2005 da ATP pela qual ele será mais lembrado, onde ele levaria Federer a um quinto set e o venceria naquela final. Em 2005, Federer foi praticamente imbatível. No entanto, ele desceria para o argentino.

Guilhermo Coria

Guillermo Sebastián Coria (nascido em 13 de janeiro de 1982), apelidado de El Mago (O Mágico em espanhol), é um tenista profissional argentino aposentado.

Em maio de 2004, ele alcançou o 3º lugar no ranking mundial de solteiros da ATP. Coria alcançou seus melhores resultados em argila, onde ganhou oito de seus nove títulos de solteiro ATP, e durante seus primeiros anos de carreira em 2003 e 2004 foi considerado “o melhor jogador de quadra de saibro do mundo”.

Ele chegou à final do Open da França de 2004, onde foi derrotado por Gastón Gaudio apesar de ter servido para a partida duas vezes e de ter conseguido dois sets para amar.

Em anos posteriores, lesões e falta de confiança afetaram seu jogo, e ele se aposentou em 2009, aos 27 anos de idade. Entre 2001 e 2002, ele serviu uma suspensão de sete meses por tomar a substância proibida, nandrolona.

Mariano Puerta

Mariano Rubén Puerta é um ex-jogador de tênis profissional argentino. Em agosto de 2005, ele alcançou o 9º lugar no ranking mundial de solteiros da ATP em sua carreira.

Seu ponto alto na carreira ao chegar à final do Aberto da França em 2005 foi marcado por testes positivos para a substância proibida etilefrine em um teste de drogas logo após a final do Aberto da França, pelo qual ele recebeu uma proibição de doping de oito anos.

Guilhermo Cañas

Guillermo Ignacio Cañas (nascido em 25 de novembro de 1977), freqüentemente referido como Willy Cañas, é um tenista aposentado da Argentina. Ele nasceu em Buenos Aires e recebeu o nome da estrela do tênis argentino Guillermo Vilas.

Cañas ganhou o Canada Masters em 2002, e chegou às quartas-de-final do Open da França em 2002, 2005 e 2007. Sua carreira de solteiro de alto nível foi a nº 8 mundial, alcançada em junho de 2005.

Depois de ser suspenso em agosto de 2005, Cañas voltou ao circuito em setembro de 2006 no nível Challenger da ATP.

Diego Schwartzman

Diego Sebastián Schwartzman é um jogador de tênis profissional argentino. Ele ganhou quatro títulos de solteiro da ATP e alcançou o 8º lugar no ranking mundial de solteiros em sua carreira em outubro de 2020. Como especialista em quadras de barro, seus melhores resultados têm sido nesta superfície.

Quando ele chegou às quartas de final do Aberto dos EUA de 2017, o Schwartzman de 170 centímetros foi o quarterfinalista mais baixo do Grand Slam desde o igualmente alto Jaime Yzaga no Aberto dos EUA de 1994. Schwartzman disse: “Não é só para os grandes aqui”. Schwartzman chegou à sua primeira final de Masters no Aberto da Itália de 2020, derrotando o campeão e campeão mundial nº 2, Rafael Nadal, em sets seguidos, e Denis Shapovalov pelo caminho.

Ele perdeu para Novak Djokovic na final. Um mês depois, no Aberto da França de 2020, ele derrotou o mundo nº 3 Dominic Thiem para chegar a sua primeira semifinal do Grand Slam, onde se tornou o homem mais curto a chegar a uma semifinal de solteiros do Grand Slam desde o Harold Solomon de 168 cm no Aberto da França de 1980.

Gaston Gaudio

Gaston não estaria nesta lista se não fosse por seu título do Open da França de 2004. Ao invés disso, Gillermo Coria estaria em seu lugar. Como muitos podem se lembrar, era Gillermo Coria quem era o Rei do Barro por volta desta época, e a semente número três no French Open.

Gaston Gaudio entraria como o 44º jogador no ranking mundial e chocaria o mundo ao derrotar seu compatriota de 8-6 no quinto set.

A partir daí, ele terminaria entre os dez primeiros em sua carreira duas vezes. Mas é o Aberto da França que o consagra entre os melhores jogadores argentinos de todos os tempos.

Juan Martin Del Potro

Se não por lesões persistentes ao longo de sua carreira, Del Potro pode muito bem ter sido o melhor jogador que a Argentina já viu. Dito isto, ele ainda teve uma carreira incrível, dados os muitos contratempos.

Esta carreira inclui duas finais do Aberto dos Estados Unidos, com um título do Aberto dos Estados Unidos, cinco finais do Top 10, uma Copa Davis, medalhas olímpicas de bronze e prata, e uma vitória do Indian Wells Masters.

Além disso, tenha em mente que sua carreira ainda não terminou. Ele está atualmente se recuperando de uma cirurgia no joelho e é esperado de volta em 2021 (dedos cruzados!).

Gabriela Sabatini

Sabatini foi uma das jogadoras mais consistentes nos anos oitenta e noventa, terminando 10 anos seguidos entre as dez melhores jogadoras de tênis feminino.

Ela conquistou o título do Aberto dos EUA em 1990 e o dobro do Wimbledon de 1988. Além disso, ela chegou à final de Wimbledon em 1991 e tem 15 partidas semifinais do Grand Slam. Finalmente, ela ganhou dois campeonatos de final de ano e uma medalha olímpica de prata. Sabatini é uma verdadeira lenda argentina.

Guillermo Vilas

Não há dúvida de que Vilas é o maior tenista argentino de todos os tempos. Ele terminou entre os 10 primeiros nove anos consecutivos, conquistando quatro títulos do Grand Slam ao longo do caminho, dois Open da Austrália (78′ e 79′), um Open dos EUA (77′) e um Open da França (77′).

Ele também conquistou as finais do ATP em 1974. Ao todo, ele capturou 62 títulos de solteiros do ATP. Ninguém captou mais títulos de solteiros do que Vilas em uma única temporada (16 títulos).

É um recorde que pode nunca ser batido. Embora Rafa Nadal seja considerado o Rei do Open da França com seus 13 títulos, ele ainda não quebrou o recorde de 49 títulos da corte de barro de Vilas. Vilas foi um monstro na quadra de tênis.

Autor

Previous

Quais os Tipos de Raquetes de Tênis?

Next

Quais os Melhores Tenistas Brasileiros?